Na terra do nunca

A maternidade ainda é utilizada como encarceramento feminino. Mesmo que existam os avanços o trabalho de cuidado das crianças é destinado as mães. É do desconforto com esta realidade e do desejo de começar a mudar este contexto que nasce “Na terra do nunca” uma série de foto colagens de mães com crianças em espaços cotidianos que são substituídas pelo rosto de homens de revistas antigas sobre vida doméstica onde sempre apresentam a mulher como serviçal. Assim, de maneira ficcional, Na terra do nunca tira os homens de uma posição de poder e opressão e os coloca no trabalho de cuidado problematizando a parentalidade no contexto contemporâneo.

-Realizado durante a Residência Internacional de Arte Contemporânea Comunitária_Argentina em Pasteur, partido de Lincoln, Argentina, 2017.

- Exposição Coisas do Gênero. No Espaço Armazém Cultural - Coletivo Elza. Florianópolis/SC. De 28 de novembro a 14 de dezembro de 2017.

- Exposição Madre Perola. Curadoria de Silvana Macedo. No Museu de Imagem e Som na cidade de Florianópolis/SC. De 01 de dezembro de 2017 a 14 de janeiro de 2018.

- Prêmio Jovens artistas: Arte Contemporânea de Santa Catarina, 2018. Exposição coletiva itinerante Dos desvios e Des veres.